domingo, 24 de janeiro de 2010

RETRATOS BY ANA KAMINSKY

"Depois, o azul transformou-se em verbo e me deparei ao acaso com o texto magnífico do poeta Nuno Júdice que criou a “receita” da cor: "Se quiseres fazer azul, pega num pedaço de céu e mete-o numa panela grande, que possas levar ao lume do horizonte; depois mexe o azul com um resto de vermelho da madrugada, até que ele se desfaça; despeja tudo numa bacia bem limpa, para que nada reste das impurezas da tarde. Por fim, peneira um resto de ouro da areia do meio-dia, até que a cor pegue ao fundo de metal. Se quiseres, para que as cores não se desprendam com o tempo, deita no líquido um caroço de pêssego queimado. Vê-lo-ás desfazer-se, sem deixar sinais de que alguma vez ali o puseste; e nem o negro da cinza deixará um resto de ocre na superfície dourada. Podes, então, levantar a cor até à altura dos olhos, e compará-la com o azul autêntico. Ambas as cores te parecerão semelhantes, sem que possas distinguir entre uma e outra."
(CÉLIA MUSILLI)




Um comentário:

  1. preciosos ojos, muchos de ellos, los reales también

    ResponderExcluir